Um dia para comemorar, diz Rui Altieri, da CCEE sobre regulamentação do GSF pela Aneel

“Um dia para comemorar”, diz Rui Altieri, da CCEE, sobre regulamentação do GSF pela Aneel

A Câmara terá 90 dias para enviar à agência reguladora os cálculos dos valores monetários referentes à compensação de quem aderir à repactuação

O presidente da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Rui Altieri, acompanhou no dia 01 de dezembro, a reunião da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que aprovou por unanimidade a regulação proposta para a Lei 14.052, sancionada em setembro e que permite a repactuação do risco hidrológico (GSF, na sigla em inglês).

De acordo com o executivo, a decisão é memorável. “Um dia para comemorar, após cinco anos de um caminho longo e muito difícil. É um marco importante para o setor, que fica a um passo da normalização do mercado de curto prazo e de uma consequente abertura de espaço para a atração de novos investimentos”. A questão impacta o setor desde 2015, retendo e retirando de circulação montantes próximos a R$9,6 bilhões.

Desde o início das discussões, a CCEE é uma das principais interessadas no desfecho do impasse do risco hidrológico. Esteve presente desde o início das discussões, e pôde acompanhar de perto o processo da Consulta pública 056/2020.

Durante o período, proposta de regulamentação recebeu 151 contribuições. Várias foram incorporadas, como a aplicação da taxa de desconto no cálculo das extensões, a consideração dos impactos decorrentes da caducidade das concessões das empresas espanholas Abengoa e da Isolux no escoamento da geração da UHE Belo Monte e o reconhecimento do direito das usinas em regime de cotas, enquadradas na Lei nº 12.783, de 2013, às compensações calculadas nos termos da Lei nº 14.052.

O próximo passo, no âmbito da CCEE, é atualizar a contabilização dos valores. Para realizar esse trabalho, a organização tem um prazo de até 90 dias.

“Vamos analisar ainda se precisaremos de adequações no sistema de cálculo. De qualquer forma, estamos comprometidos em entregar o quanto antes esse trabalho à agência”, afirmou Rui Altieri.

Após o envio dos cálculos da Câmara de Comercialização, a Aneel precisa homologá-los. A partir de então, será dado um prazo de 60 dias para que os agentes possam declarar sua intenção de aceitar a proposta.

A adesão estará condicionada à assinatura do termo de aceitação, à desistência das ações judiciais e à renúncia de qualquer alegação de direito relativa a isenção ou mitigação dos riscos hidrológicos relacionados ao Mecanismo de Realocação de Energia (MRE). Em contrapartida, terão direito à extensão de suas concessões. Cálculos preliminares feitos pela CCEE presumem que o período de extensão médio das concessões gire em torno de 500 dias e o pagamento será feito em parcelas.

O GSF (Generation Scaling Factor) é a sigla que expressa o risco hidrológico, ou seja, o déficit entre a garantia física das hidrelétricas e a energia efetivamente gerada por elas. Nos últimos anos, a estiagem severa e outros fatores fizeram com que apenas uma parcela da energia fosse despachada, ajudando a poupar os reservatórios das usinas.

Assim, a energia vendida, e não gerada, virou exposição no mercado de curto prazo de energia. Por entenderem que parte desse risco não deveria ser imputado aos geradores, as usinas foram à Justiça e conseguiram liminares para não pagar por essa exposição.

Leia também MME publica plano de outorgas de transmissão de energia elétrica 2020

Compartilhe esta postagem

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Últimas notícias