ABINEE TEC 2021 debate papel estratégico do setor eletroeletrônico e medidas para competitividade

ABINEE TEC 2021 debate papel estratégico do setor eletroeletrônico e medidas para competitividade

O papel estratégico do setor eletroeletrônico na economia cada vez mais digitalizada e a necessidade de medidas que garantam a competitividade e atraiam investimentos tecnológicos no País foram os principais assuntos abordados por empresários e autoridades na abertura do Fórum Abinee TEC Digital Week 2021, realizado no dia 19 de julho, com o tema Indústria: Inovação para Transformação Digital.

O evento contou com a participação do secretário executivo do Ministério das Comunicações, Vitor Menezes; do 1º Vice Presidente da Câmara, deputados Marcelo Ramos, dos deputados Bilac Pinto e Vitor Lippi, membros da Frente Parlamentar para o Desenvolvimento da Indústria Elétrica e Eletrônica; do presidente da Apex Brasil, Augusto Pestana; do presidente da CNI, Robson Braga de Andrade; e do presidente da Reed Exhibitions, Claudio Della Nina.

O 1º vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos, reforçou seu compromisso com o desenvolvimento do setor eletroeletrônico. Ele salientou o diálogo estabelecido na busca do equilíbrio entre a Política de TICs e Zona Franca de Manaus. “Ganhamos todos e essa vitória se comprova no dia a dia”, afirmou. Ramos defendeu a necessidade de aprovação da PEC 10/2021, como forma de assegurar a isonomia em caráter constitucional das duas políticas. “Temos que aprovar para garantirmos os investimentos tecnológicos em todo o território brasileiro”.

Outro ponto destacado por Ramos foi a medida adotada pela Camex de redução do Imposto de Importação para BITs (Bens de informática e telecomunicações) e BKs (máquinas e equipamentos). Segundo ele, nenhum país é contra abertura, mas esta medida não pode ser feita em improviso, sem diálogo setorial, sem previsibilidade e sem coordenação com redução do custo Brasil.

“Esta política mata a indústria nacional, inviabilizando sua competitividade e a geração de emprego e renda”, enfatizou. O 1º vice-presidente da Câmara afirmou que está trabalhando para estabelecer um dialogo com o Ministério da Economia e com a Camex de forma a reverter a decisão para garantir um ambiente de negócio propício que não traga prejuízo ao setor industrial.

Os deputados Bilac Pinto e Vitor Lippi, membros da Frente Parlamentar para o Desenvolvimento da Indústria Elétrica e Eletrônica, destacaram a necessidade de aprovação da PEC 10/2021, como forma de trazer segurança jurídica e maior competitividade para as empresas enquadradas na Política de TICs. Ambos salientaram que o instrumento possibilita a manutenção de investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento no País.

Representando o ministro das Comunicações, Fábio Faria, o secretário-executivo da pasta, Vitor Menezes, afirmou que o setor tem papel fundamental para a transformação digital. Ele salientou a parceria da Abinee com o ministério para a construção de política como o edital de 5G, Lei do Fust e medidas tributárias para Internet das Coisas. “Essas ações buscam fazer com que o país seja mais atrativos para investimentos tecnológicos”.

Na abertura, o presidente do Conselho de Administração da Abinee, Irineu Govêa, disse que o Abinee TEC, que segue até 23 de julho, discutirá temas que são prova incontestável de que as empresas da Abinee estão inseridas em toda a economia, mobilizando uma extensa cadeia global de valor.

“A chegada do 5G e o advento da Internet das Coisas colocam em marcha uma verdadeira revolução tecnológica que demanda soluções, equipamentos e serviços para impulsionar a transformação digital da economia, que nossa indústria está apta a promover”, ressaltou.

Em sua avaliação, entretanto, o País tem alguns pontos que precisam ser trabalhados, não apenas para aprimorar o ambiente produtivo interno como para transmitir aos investidores externos a segurança jurídica fundamental na decisão do investimento. “Neste sentido, as reformas que estão sendo promovidas atualmente são um grande passo para reduzir o custo da máquina pública, visando a recuperação da produtividade e maior competitividade”, ressaltou.

O presidente executivo da Abinee, Humberto Barbato, também destacou a importância do setor eletroeletrônico, que, desde o início da pandemia, tem dado sucessivas demonstrações da nossa força, resiliência e espírito criativo. Para ele, para que as empresas possam continuar a exercer todo seu potencial, é preciso que o País tenha um cenário propício para o desenvolvimento tecnológico. Nesse sentido, Barbato destacou iniciativas em andamento, como o edital 5G e a efetivação da Lei de TICs, que agora espera a aprovação da PEC 10/2021.

Ao mesmo tempo, ele salientou que o País tem um grande desafio de ordem conjuntural a ser solucionado, que é a diminuição dos impactos do Custo Brasil na produção como forma de permitir a contínua modernização e abertura da economia, aumentando sua competitividade, sem impactos aos investimentos já realizados.

Ele lembrou que, nos últimos meses, o setor industrial, por meio da Coalizão Indústria e da CNI, tem intensificado o diálogo com o governo, em reuniões periódicas com o ministro da Economia, Paulo Guedes; com o Secretário Carlos da Costa e sua equipe.

“Em todas as nossas manifestações, temos vocalizado a necessidade de que essa medida deva se estender também aos insumos utilizados por essa indústria e de que seja acompanhada de efetiva diminuição nos custos de produção, sob pena de desta feita, diferente de outros tempos, ao invés de escolhermos vencedores, estamos elegendo perdedores!

O presidente da Apex Brasil, Augusto Pestana, destacou as ações da agência e a parceria com a Abinee para a promoção comercial e capacitação das empresas. Em sua opinião, o setor eletroeletrônico, apesar das dificuldades com o abastecimento de insumos, tem demonstrado resiliência e sua importância aumentou durante a pandemia.

O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, considera que a pandemia trouxe diversas lições, entre elas a importância da indústria, da inovação e da tecnologia para o País. “Nesse cenário, o setor eletroeletrônico é fundamental e está à frente desse processo”. Segundo ele, é preciso que se crie ferramentas e meios necessários para manter o parque industrial brasileiro diversificado e com competitividade para atuar no mercado interno e externo.

O presidente da Reed Exhibitions, Claudio Della Nina, destacou que a realização do evento de forma virtual mantém o mesmo objetivo dos eventos presenciais como a FIEE, prevista para ocorrer em março de 2022 , que é criar conexões e oportunidades de negócios para um dos setores mais dinâmicos da economia, além de conteúdo qualificado para a decisão de investimentos.

O Abinee TEC 2021 Digital Week ocorreu de 19 a 23 de julho. No decorrer da semana, o evento apresentou painéis temáticos que abordaram Eletromobilidade, Cibersegurança, Cidades Sustentáveis e Sustentabilidade

Leia outra notícias sobre negócios no setor de energia

Compartilhe esta postagem

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Notícias Relacionadas

Faça uma pesquisa​​

Últimas notícias